Astara Team já evitou emissão de mais de 13 toneladas de CO2 no Dakar 2024

Até meio do Rally Dakar de 2024, assinalado com o dia de descanso, a Astara Team evitou a emissão de 13,25 toneladas de CO2, o equivalente ao que é produzido por um veículo de passageiros médio durante 100 mil km. Para sequestrar esta quantidade de CO2, caso tivesse sido emitida, seria necessário plantar 433 árvores num ano.

Este efeito benéfico foi possível graças à utilização de combustível sintético nos modelos de competição, bem como nos veículos de assistência e no gerador de energia. Por enquanto, o cálculo não considera as emissões provenientes das viagens da equipa. Com esta evolução, a Astara demonstra que é possível competir ao mais alto nível – a dupla Laia Sanz / Maurizio Gerini está na 14ª posição na classificação geral de automóveis ao fim da sétima etapa – mas de forma mais sustentável.

Nas palavras de Laia Sanz, “é uma honra fazer parte de uma iniciativa que encara a sustentabilidade como uma componente prioritária. Este ano utilizamos um motor mais leve, com melhor desempenho, e a nossa participação com o Astara 02 Concept é totalmente neutra em termos de emissões. É importante participar em competições como o Rally Dakar tendo a consciência do nosso impacto, porque é algo que deixamos para as gerações futuras.”

Segundo Patrícia Pita, cuja participação foi também fundamental na sensibilização para a redução de emissões, “esta equipa sempre se destacou das restantes pela forma como dá prioridade às questões ambientais, um compromisso que representa um grande motivo de orgulho e passa uma mensagem muito importante.”

Desde 2022 que a Astara é pioneira na utilização de combustível sintético no maior evento mundial do desporto motorizado. Para esta edição, a equipa melhorou a formulação do combustível sintético utilizado no Astara 02 Concept, evolução do modelo do ano passado, por forma a alcançar uma pegada de carbono 100% neutra (zero emissões), o que representa um importante passo face aos 90% em 2023 e 70% em 2022. Isto sem prejuízo de atingir novos níveis em matéria de desempenho, aerodinâmica e propulsão.

Além disso, no âmbito dos objetivos de redução da pegada de carbono nesta edição de 2024, a equipa passou também a utilizar combustíveis de origem renovável em todos os seus veículos de apoio e assistência.

Os combustíveis sintéticos posicionam-se cada vez mais como uma das alternativas na transição dos motores de combustão para uma mobilidade mais sustentável, e as competições desportivas não devem ser excluídas deste novo cenário. Na Europa, o ano de 2035 irá marcar o fim da venda de veículos com motores de combustão, com exceção dos que utilizam combustíveis sintéticos.

A Astara Team nasceu com a premissa de liderar a transição para a sustentabilidade numa das competições automobilísticas mais importantes do mundo, o Rally Dakar. No final da competição, à semelhança dos anos anteriores, a equipa irá medir, reportar e compensar as emissões de Gases com Efeito de Estufa (GEE) de todas as suas operações e membros, tanto diretas como indiretas. Além disso, os dados de emissões de cada etapa serão divulgados, prática que não ocorre em mais nenhuma das restantes equipas.

Tal como na edição anterior, o processo será realizado de forma transparente e certificado por entidades independentes.

Oscar Fuertes, diretor esportivo da Astara Team, afirma que “os combustíveis sintéticos são uma solução muito válida para uma competição como o Rally Dakar. O nosso compromisso com o meio ambiente mantevese intacto desde o início, bem como o desafio de fazer mais e melhor em cada edição.”